Tuesday, December 30, 2008

BONHANHO
Photobucket
Post bonito é para ser repetido
- Fui me confessar ao mar.
- E o que ele disse?
- Nada.



Lygia Fagundes Telles




Photobucket

Sunday, December 28, 2008

Digo-te por isso
que não me obrigues a luz.
Que escrever não é fácil,
que viver não é fácil
quando começamos a frase a meio.
Que lavo a cara ao chegar tão tarde
e mesmo assim o dia não se despega,
e mesmo assim
tu não estás, ninguém está.
Que não tenho espaço na minha secretária,
na minha vida, na minha cama
para tanto espaço.
Que já me disseram urbana,
e nem por isso me disseram decadente,
e que eu gostei.
Que já me disseram
muitas vezes
disfarçadamente triste,
e que por isso, por ser triste, por
sermos todos tristes, não mo deviam dizer.
Digo-te por isso
que não era minha intenção dizer-te mais uns versos
tristes e sem luz, e por isso, só por isso,
não era minha intenção dizer-te nada.




Filipa Leal




Photobucket

Saturday, December 27, 2008

Thursday, December 25, 2008

Com palavras usadas,
gastas pelo tempo e pelo hábito,
cujo último tremor já não se sente.
Com palavras, como sonhos, queimadas pela vida,
nesta noite de chuva falo contigo,
tento falar pelo menos, ligeiramente ébrio,
construo cada sílaba no país de jamais.
E sinto essa repentina lucidez
com a qual, de súbito, quebramos a rotina de sermos e de conhecermo-nos,
sinto, digo, essa estranha sensação, distante e esvaída,
do whisky, da noite e do silêncio,
do entusiasmado desespero com que aceitamos a derrota,
dessa vertigem, às vezes, só às vezes, tua e minha,
em que morremos a sorrir com os olhos abertos.
Sinto o pouco que é um beijo no fundo da tua língua,
ou os teus olhos a olharem-se nos meus,
ou as nossas mão unidas no ar,
a percorrer um museu de admitidos fracassos.
Desfilam, batalhão desolado de fantasmas,
nomes e nomes com eco diferente.
Pretendemos, com abolidos rostos, prazos caducados, cidades impossíveis,
responder a uma velha pergunta
cuja resposta só a morte conhece já.
Anos e anos, voluntários exílios de seres e países.,
os filhos que não quis ter, os que tu tiveste,
o tremor do desejo que guardas ainda na tua pele,
o meu repetido navegar de cama em cama
reunem-se e afirmam o seu destino
diante da cerimónia do amanhecer.
E sabemos tudo e está escrito nos teus olhos,
hoje, contudo, neste dia com sol-tão raro em Bogotá-
de finais de julho, de um ano qualquer,
proponho-te o meu amor, sei que aceitarás,
com palavras usadas proponho-te mentirmo-nos.
Já passada a noite, quietos diante do espelho,
enquanto faço a barba e tu pintas os lábios,
proponho-te o meu amor, dizer que nos amamos.
Dizer-e são apenas exemplos-"hoje existe a vida para nós"
ou "tu não morrerás nunca"
ou, talvez, "ainda há noites e noites que esperam
os nossos braços, esse especial calor de dormirmos abraçados".
Esquecendo, tentando esquecer o nosso passado,
ignorando o futuro sem dúvida inalcançável,
com palavras gastas dizer e repetir
-é outro exemplo-"obrigado meu amor por teres existido".
Ao menos por um momento-não incomodamos ninguém-
com palavras usadas mentirmo-nos e mentirmo-nos,
mentirmo-nos contra o tempo, desprezar a sua vitória.

Envio:
Deixo-te este poema
confuso, absurdo, comprido,
para que tu o estendas como um lenço velho
aos pés da tua cama, para que tu o tenhas,
e um dia o encontres, confuso, absurdo, comprido,
num dia como este-quando já não estivermos-,
e recordes, debaixo do duche,
que uma vez te amei-mentiras e mentiras-,
que uma vez te amei-era um dia de julho-,
com palavras usadas como um disco riscado,
que recordes, meu amor, esta letra de tango.



Juan Luis Panero



Photobucket
A todos um Bom Natal
Photobucket

Wednesday, December 24, 2008

gosto tanto desta canção!
Photobucket

Sunday, December 21, 2008

Aquilo a que se costuma chamar amor é um exílio, com um postal de casa de vez em quando, eis o meu pensamento para esta noite.




Samuel Beckett




Photobucket

Friday, December 19, 2008

é bom ser a lebre das alianças duma grande amiga (e dj também)
Photobucket

Thursday, December 18, 2008

Eu quero uma licença de dormir,
perdão para descansar horas a fio,
sem ao menos sonhar
a leve palha de um pequeno sonho.
Quero o que antes da vida
foi o profundo sono das espécies,
a graça de um estado.
Semente.
Muito mais que raízes.





Adélia Prado




Photobucket

Wednesday, December 17, 2008

Que quer dizer a mágoa sempre que se deixa
fazer sentir, quando se afasta depois
de ocupar os únicos sítios? O que quero
dizer fica menos veloz. A evitar o azul branco
do céu sobre mim, a visitar esta terra só
de inverno. Seria inútil começar agora
uma conversa mais explícita, talvez
sobre o ritmo exigente da cidade em que estás
ou sobre a actividade quase perfeita das crianças
em redor. Prefiro calar-me, sentir o vento
que vem do mar, rir um pouco tropeçando
na madeira corroída.
De pouco serve escutar assim as vozes
já tão cansadas, antes a cuidadosa escolha
das tábuas a pôr na casa vazia. Depois
falaste-me de um eco, de um barco inclinando-se,
da casa que não tens.
Esgota-se o que mais falta. Que vamos
dizer? Está bem amo-te. E ao fogo
acabando na cinza, à manhã que não existe.



Helder Moura Pereira




Photobucket

Tuesday, December 16, 2008

há prendas que nos iluminam completamente os dias. esta m'nina musicou este meu poema

como pretexto para amputar sonos
que venha o Outono!

encerramos a casa, é domingo, e ficamos
a ouvir os cães a ladrar ao longe

próximo do amanhecer
chama-se nuvem a uma metáfora
onde os pássaros vigiam os intervalos das arvores

será o Verão a epígrafe de dias esquecidos?



maria sousa



Photobucket

Monday, December 15, 2008

Toda a manhã, eu sentada a pensar em ti,
as Monarcas têm passado. Sete andares acima,
à esquerda do rio, dirigem-se para
sul, as suas asas vermelho-escuras como
as tuas mãos de talhante, as veias
estampadas das suas asas como as tuas cicatrizes.
Mal conseguia sentir as tuas palmas rudes enormes
sobre mim, tão leve era o teu toque,
algo delicado, gretado, que arranhava tal pata de insecto
sobre o meu peito. Nunca ninguém
me tocara antes. Nem sequer sabia
abrir as pernas, mas senti as tuas coxas,
com uma penugem de ouro rubro,
abrindo-se
entre as minhas pernas como um
par de asas.
A impressão do meu sangue em cavilha sobre as tuas coxas –
uma criatura alada presa ali por alfinetes –
e depois partiste, como havias de partir
uma e outra vez, as borboletas deslocando-se
imensas pela minha janela, flutuando
para sul para se transformarem, atravessando
fronteiras pela noite, a sua nuvem difusa
vermelha de sangue, o meu corpo sob o teu,
a beleza e o silêncio das grandes migrações.



Sharon Olds



Photobucket

Sunday, December 14, 2008

Hoje vou para o mercado velho expor o meu corpo em pedaços
cada um bem identificado por uma etiqueta com nome e valor
tenho esperança de realizar uma boa transacção há tanta coisa lá
para trocar pelos pedaços ainda em bom estado deste meu corpo
inteiro não tem muita utilidade mas assim a retalho é precioso
em particular a mão direita o crânio o sexo o coração
oxalá ninguém queira comprar por atacado todos os pedaços
é que não sei onde guardei as instruções de montagem.




Carlos Alberto Machado




Photobucket

Friday, December 12, 2008

Thursday, December 11, 2008


ela despe-se no paraíso
da sua memória
ela desconhece o destino feroz
das suas visões
ela tem medo de não saber nomear
o que não existe




Alejandra Pizarnik




Photobucket

Wednesday, December 10, 2008

entre a saliva e os sonhos há sempre
uma ferida de que não conseguimos
regressar

e uma noite a vida
começa a doer muito
e os espelhos donde as almas partiram
agarram-nos pelos ombros e murmuram
como são terríveis os olhos do amor
quando acordam vazios





Alice Vieira




Photobucket

Tuesday, December 9, 2008

Habito um corpo - é apenas isso.
As crianças, na rua, preparam
a morte, pisam as folhas
do acaso. Quem as olhará, neste
momento parado na praça das Flores?

Benilde, ao balcão, diz que é uma flor,
talvez a última. Mas as canções,
na rádio, desmentem qualquer sorriso
e banalizam em língua portuguesa
o milagre sem voz do amor.

Não me venham dizer que existo.




Manuel de Freitas




Photobucket

Monday, December 8, 2008

Eu sei que não virás. O quarto
seria este, estes os meus braços, aquela
a jarra com as flores.
Que lindo cachecol. O colete fica-te bem.
Sabes o que é o amor? Poder e não poder
dizer o teu nome sem que me rebente
dentro do estômago, dos intestinos, dos pulmões
a faca de infecções de que poderei morrer.





Joaquim Manuel Magalhães




Photobucket

Friday, December 5, 2008

Thursday, December 4, 2008

Os dedos com que me tocou

persistem sob a pele, onde a memória os move.

Tacteiam, impolutos. Tantas vezes

o suor os traz consigo da memória, que não tenho

na pele poro através

do qual eles não procurem

sair quando transpiro.A pele é o espelho da memória.







Luís Miguel Nava







Photobucket

Wednesday, December 3, 2008

Debaixo do colchão tenho guardado
o coração mais limpo desta terra
como um peixe lavado pela água
da chuva que me alaga interiormente
Acordo cada dia com um corpo
que não aquele com que me deitei
e nunca sei ao certo se sou hoje
o projecto ou memória do que fui
Abraço os braços fortes mas exactos
que à noite me levaram onde estou
e, bebendo café, leio nas folhas
das árvores do parque o tempo que fará
Depois irei ali além das pontes
vender, comprar, trocar, a vida toda acesa;
mas com cuidado, para não ferir
as minhas mãos astutas de princesa.




António Franco Alexandre




Photobucket

Tuesday, December 2, 2008

tradução caseira da lebre



Harux e Harix decidiram nunca mais se levantar da cama. Amam-se loucamente e não podem afastar-se um do outro mais do que sessenta ou setenta centímetros. Logo o melhor é ficar na cama, longe dos apelos do mundo. No entanto, o telefone está na mesa-de-cabeceira, e às vezes toca e interrompe os seus abraços: são os familiares que querem saber se tudo está bem. Mas essas chamadas são cada vez mais raras e lacónicas. Os amantes apenas se levantam para ir à casa de banho, e nem sempre, a cama está desarrumada, os lençóis gastos, mas eles não dão conta, cada um mais imerso na onda azul dos olhos do outro. Os seus membros misticamente entrelaçados.
Na primeira semana alimentaram-se de bolachinhas, de que se tinham abastecido abundantemente. Como as bolachas acabaram, agora comem-se um ao outro.
Anestesiados pelo desejo, arrancam grandes pedaços de carne com os dentes, entre dois beijos devoram o nariz ou o dedo mindinho, bebem o sangue um do outro; depois saciados fazem novamente amor como podem, e adormecem para recomeçar quando acordam. Perderam a conta dos dias e das horas. Não são bonitos de ver, isso é verdade, ensanguentados, esquartejados, pegajosos. Mas o seu amor está para além de todas as convenções.




Juan Rodolfo Wilcock



Photobucket

Monday, December 1, 2008

no lugar onde num mapa se assinala um final feliz
Abrimos imagens como quem faz a cronologia
do lado esquerdo do corpo

o silêncio é um muro num tempo de aceitar ventos

sob a pele espera-se a existência subterrânea da respiração
assim, falar de ausência é apanhar vazios
até que as palavras sejam o movimento
onde vamos nascendo cedo demais




maria sousa




Photobucket

Sunday, November 30, 2008

A melancolia não é uma besta quadrada. É obtusa. Abre-se em farpas e vai escolhendo os lugares do corpo onde perfurar. Tenho melancolia nos dedos, vejo-a no amolecer do papel. Tenho melancolia na boca, que a comprime e horroriza. Da boca às mãos, um trajecto fúnebre – o caminho que os mortos fazem até chegar a mim.
(A minha melancolia alimenta-se dos meus mortos.)
Passou um comboio pelo meu fazendo-o sobressaltar-se e eu com ele. A máquina levou-me o coração junto – isso e alguns vermes – aumentando-me o rasgo no peito. A Dona Tê pensa que eu nasci sem coração, mas eu sinto que ela nasceu sem cérebro. Nasceu com uma cabeça de nada, o que já é muito.




Menina Limão



Photobucket

Friday, November 28, 2008

Thursday, November 27, 2008

tradução caseira da lebre



estes olhos
apenas se abrem
para avaliar ausências





Alejandra Pizarnik



Photobucket

Wednesday, November 26, 2008

Que horas são? — Sim, estou feliz
e só me falta um guizo no pescoço
para enquanto tu dormes ele retinir sobre ti.
Não ouviste então a tempestade? O vento assolou as muralhas,
a torre urrou como um leão pelo portão
a ranger nas dobradiças.
— Como é que podes não te lembrar?
Eu trazia um vestido cinzento muito simples
de abotoar nos ombros. — E logo a seguir
o céu explodiu em mil clarões.
— Como é que eu podia entrar
se tu não estavas sozinho! — E vi de súbito
as cores de antes de haver olhar.
— É pena
que não possas perdoar-me. — Tens toda a razão,
foi um sonho de certeza.
— Por que é que mentes?
Por que me tratas pelo nome dela?
Amá-la ainda? — Sim! Queria muito
que ficasses comigo.
— Não estou triste,
eu devia ter adivinhado.
Ainda pensar nele? — Não estou a chorar!
E é tudo? — De ninguém como de ti.
Pelo menos és sincera. — Fica tranquilo,
vou-me embora da cidade. — Fica tranquilo,
eu vou-me embora daqui.
— Tens umas mãos tão bonitas.
É uma velha história. Foi duro
mas passou sem deixar mossas
. — Não tem de quê,
meu caro, não tem de quê. — Não sei
que horas são e nem quero saber.




Wislawa Szymborska



Photobucket

Tuesday, November 25, 2008

Pssst! é só para avisar que abriu uma livraria maravilha em Lisboa
Photobucket

no nº11 da rua Cecílio de Sousa, entre o Príncipe Real e a Praça das Flores

(É a primeira livraria portuguesa de poesia. Livros novos, esgotados e raros)
é este o sofrimento do Outono
o primeiro frio e a flor adiada
para um tempo que já não há-de
ser meu




Rosa Alice Branco



Photobucket

Monday, November 24, 2008

Abriu no colchão as valas possíveis
e enterrou por ordem alfabética
cada parte do corpo: os pêlos
os pântanos as unhas encravadas
e as unhas que outros cravaram pelas coxas.
Estudou cuidadosamente as ondas as horas
para que não restassem dúvidas
sobre os caminhos marítimos
para a noite. Por fim
podou todas as janelas do quarto;
bebeu o vinho;
roeu a carne do quarto
até não sobrar nenhum coração.



Catarina Nunes de Almeida



Photobucket

Saturday, November 22, 2008

Photobucket

Thursday, November 20, 2008

Esta casa
Gosto dela assim: ainda vibrante dos passos
que a deixaram a sós comigo
desobrigada
de abrigar seus moradores
Comigo é
diferente:
não me limito a usá-la
a habitá-la:
namoro com ela
Comigo
abandona-se a seus mais íntimos rumores
e cheiros
e aliviada do dever de ser útil
em silêncio
canta



Teresa Rita Lopes



Photobucket

Wednesday, November 19, 2008

tradução "muito" caseira da lebre


Mais do que isto, sim
Mais do que isto, podemos ficar caladas.
Com um olhar parado
como aquele dos mortos.
Podemos fixar durante longas horas
o fumo a sair de um cigarro
a forma de uma chávena
a flor esbatida no tapete
o slogan a desaparecer na parede.
Podemos afastar as cortinas
com dedos enrugados e ver
a chuva cair fortemente no beco
uma criança parada na porta
com um colorido papagaio de papel
uma carripana a sair da praça vazia
numa pressa barulhenta.
Podemos estar ali paradas
Ao pé das cortina – cegas, surdas
Podemos gritar com uma voz bastante falsa, bastante remota
“eu amo…”

Nos braços dominadores de um homem
podemos ser uma saudável e bonita mulher.
Com um corpo como uma toalha de mesa de cabedal
com dois grandes e duros peitos,
na cama com um bêbedo, um louco, um vadio
podemos manchar a inocência do amor.

Podemos degradar com astúcia
todos os mistérios profundos
podemos continuar a resolver palavras cruzadas
a descobrir alegremente as respostas sem sentido
respostas sem sentido, sim – de cinco ou seis letras.

Com cabeça inclinada, podemos ajoelhar-nos uma vida inteira perante a grade dourada de um túmulo
podemos encontrar deus numa sepultura sem nome
podemos trocar a nossa fé por uma moeda sem valor
podemos apodrecer no canto duma mesquita
como um velho recitador de orações de peregrinos.
Podemos ser constante como o zero
Nas somas, subtracções, ou multiplicações.
Podemos pensar nos teus - mesmo nos teus – olhos
Como buracos sem brilho nuns sapatos velhos.
Podemos secar-nos numa bacia, como água.

Com vergonha podemos esconder a beleza de um momento juntos
no fundo de um baú
como uma velha e estranha foto,
na moldura vazia de um dia podemos mostrar
a imagem duma execução, duma crucificação, ou de um martírio,
podemos tapar as rachas na parede com uma máscara
podemos lidar com imagens mais ocas do que essas.

Podemos ser como bonecas de corda
e olhar para o mundo como olhos de vidro
e jazer durante anos entre rendas e lantejoulas
o corpo recheado de palha
dentro de uma caixa de feltro,
e a cada toque de luxúria
gritar sem nenhuma razão
“Ah, que feliz sou!”




Forugh Farrokhzad




Photobucket

Tuesday, November 18, 2008

tradução caseira da lebre



Esta é a chave para isso.
Esta é a chave para tudo.
Preciosamente

Sou pior que os filhos do couteiro
a apanhar pó e pão.
Aqui estou eu a tamborilar perfume.

Deixa-me afundar na tua carpete,
o teu colchão de palha. O que quer que esteja à mão
porque a criança em mim está a morrer, a morrer.

Não é que eu seja gado para ser comido.
Não é que eu seja uma espécie de rua.
Mas as tuas mãos encontraram-me como um arquitecto.

Jarro cheio de leite! Foi teu há anos
quando eu vivia no vale dos meus ossos,
ossos mudos no pântano. Pequenas-coisa-de-brincar

Talvez um xilofone com pele
estranhamente esticada sobre ele.
Só mais tarde se tornou algo real.

Depois comparei o meu tamanho com o das estrelas de cinema
Eu não estava à altura. Algo estava entre
os meus ombros. Mas nunca o suficiente.

Claro, havia um prado,
mas nenhuns jovens a cantar a verdade.
Nada por onde dizer a verdade.

Ignorante de homens estou ao lado das minhas irmãs
E erguendo-me das cinzas eu gritei
O meu sexo será trespassado.

Agora sou a tua mãe, a tua filha,
a tua coisa nova em folha – um caracol, um ninho
Estou viva quando os teus dedos estão

Uso seda- a coberta para ser descoberta -
Porque seda é aquilo em que quero que penses.
Mas eu não gosto do tecido – é demasiado austero

Por isso, diz-me algo mas segue-me como um alpinista
porque aqui está o olho, aqui está a jóia,
aqui está a excitação que o mamilo aprende

Eu sou desequilibrada – mas não sou louca com neve.
sou louca da mesma maneira que as jovens são loucas
com uma oferta, uma oferta…

Ardo como o dinheiro arde




Anne Sexton



Image and video hosting by TinyPic

Monday, November 17, 2008

Queria descrever o meu eu como uma casa, habitada há gerações embora cheia de coisas peculiarmente minha. Mas ao final do dia, nem era preciso dizer: fecha a porta, desce a persiana, boa noite, boa noite.



Jean Day



Photobucket

Sunday, November 16, 2008

Uma janela ser-me-á suficiente
uma janela para o momento da consciência
da observância
e do silêncio.




Forugh Farrokhzad



Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Friday, November 14, 2008

Thursday, November 13, 2008

Estou a oscilar, a agitar-me, em desequilíbrio; de um lado o desejo, já com sabor a não-vida, do outro a noção do fim. Paira a ameaça sobre o corpo-depois-do-fulgor. Não há senão memória desfibrada incisiva o medo desoculto de que a serpente me engula com a sua boca desproporcionada.

Acordo tantas vezes de madrugada, o meu coração é uma planície deserta, coração dilacerado desesperado inchado cordeiro manso ou feroz de olhos furados. Não te deites docilmente, vão roubar-te tudo, o ladrão virá de noite com as suas garras venenosas e dir-te-á

«Não ames!»

Não deixes, não deixes, expulsa-o, extirpar-te-á o fígado e ficarás o que não és e és agora, não o que fomos e somos hoje, o mistério não acontecerá como o milagre não aconteceu, o depois evitará o antes e esse será o fim, a treva, os dedos sem mãos, silêncio de eterna neve.




Ana Marques Gastão




Photobucket

Wednesday, November 12, 2008

O profundo silêncio das flores
é um lugar de ausência. Vazia moldura
para o vôo das aves, linha oscilante
de ligeira névoa
que nada revela do que talvez esconda.




Égito Gonçalves



Photobucket

Tuesday, November 11, 2008

Há uma altura, antes de acordar, em que
sonho e a realidade se confundem. Por vezes,
o sono impede que se faça essa distinção;
de outras vezes, julgamo-nos metidos
na vida sem saber que ainda não saímos
do limbo nocturno. Em todos os casos,
sentimentos e emoções sobressaltam
o corpo; movemo-nos para um e outro lado
com a angústia da dupla existência; nada
dominamos das acções que, no entanto,
sofremos como se algo nos tivesse arrancado
da cama. Durante o pequeno-almoço, pensando
nisso, já pouco resta de qualquer coisa
da noite. Nem as pessoas, nem as palavras,
nem as imagens, nos atormentam com a intensidade
de há pouco. Porém, é como se nos faltasse
alguma coisa de nós. E, durante o dia, repetimos
gestos que não sabemos a quem se dirigem;
ouvimos frases de que não percebemos
o sentido.
E não sabemos, de facto,
onde encontrar uma explicação para esse
deambular entre ser
e não ser.




Nuno Júdice




Photobucket

Monday, November 10, 2008

Quando se é só, inventa-se a companhia de alguém sem defeitos que nao fala, nao ouve e nem sequer se vê.



Graça Pina de Morais



Photobucket

Sunday, November 9, 2008

Há algo nas manhãs que não entendo agora
e a um grito de minhas pernas não atendo.
Ainda depois da noite, noite me espia
e sonho dúvidas enormes e imóveis
como a imobilidade das aranhas.
Tão pouco tempo e tenho de deixar-me
e queria nunca ter de repartir-me.
Começa a raiva da saudade
que inventei vou ter de mim.




Olga Savary



Photobucket

Monday, October 6, 2008

O que é a realidade?
Sou uma boneca de geso, eu poso
com olhos que abrem sem horizonte ou anoitecer
para pessoas envernizadas a sorrir,
olhos que abrem, azuis, aço e fecham.
Sou uma espécie de transplante de I . Magnin?
Tenho cabelo, anjo preto,
recheio de anjo-preto para pentear,
pernas de nylon, braços luminosos
e algumas roupas dos anúncios.

Vivo numa casa de bonecas
com quatro cadeiras,
uma mesa de imitação, um telhado plano
e uma grande porta de entrada.
Muitos chegaram a esta encruzilhada tão pequena.
Há uma cama de ferro,
(a vida alarga, a vida faz pontaria)
um chão de cartão,
janelas que se escancaram para a cidade de alguém,
e pouco mais.

Alguém brinca comigo,
planta-me numa cozinha toda eléctrica
Foi isto que a Sra. Rombauer disse?
Alguém finge comigo-
estou emparedada em sólido pelo seu barulho -
uu põem-me em cima da sua cama arrumada.
Eles acham que eu sou eu!
O calor deles? O calor deles não é um amigo!
Eles forçam a minha boca para os seus copos de gin
e para o seu pão rançoso.

O que é a realidade
para esta boneca sintética
que devia sorrir, que devia meter as mudanças
que devia escancarar as portas numa desordem sadia
sem evidencias de ruínas ou medos?
Mas eu choraria
enraizada na parede que
em tempos já foi minha mãe
se me lembrasse como
e se eu tivesse lágrimas.



anne sexton


Photobucket
O que é a realidade?
Sou uma boneca de geso, eu poso
com olhos que abrem sem horizonte ou anoitecer
para pessoas envernizadas a sorrir,
olhos que abrem, azuis, aço e fecham.
Sou uma espécie de transplante de I . Magnin?
Tenho cabelo, anjo preto,
recheio de anjo-preto para pentear,
pernas de nylon, braços luminosos
e algumas roupas dos anúncios.

Vivo numa casa de bonecas
com quatro cadeiras,
uma mesa de imitação, um telhado plano
e uma grande porta de entrada.
Muitos chegaram a esta encruzilhada tão pequena.
Há uma cama de ferro,
(a vida alarga, a vida faz pontaria)
um chão de cartão,
janelas que se escancaram para a cidade de alguém,
e pouco mais.

Alguém brinca comigo,
planta-me numa cozinha toda eléctrica
Foi isto que a Sra. Rombauer disse?
Alguém finge comigo-
estou emparedada em sólido pelo seu barulho -
uu põem-me em cima da sua cama arrumada.
Eles acham que eu sou eu!
O calor deles? O calor deles não é um amigo!
Eles forçam a minha boca para os seus copos de gin
e para o seu pão rançoso.

O que é a realidade
para esta boneca sintética
que devia sorrir, que devia meter as mudanças
que devia escancarar as portas numa desordem sadia
sem evidencias de ruínas ou medos?
Mas eu choraria
enraizada na parede que
em tempos já foi minha mãe
se me lembrasse como
e se eu tivesse lágrimas.




anne sexton


Photobucket
tradução caseira da lebre


O que é a realidade?
Sou uma boneca de gesso, eu poso
com olhos que abrem sem horizonte ou anoitecer
para pessoas envernizadas a sorrir,
olhos que abrem e fecham, azuis aço.
Sou uma espécie de transplante de I . Magnin?
Tenho cabelo, anjo preto,
recheio de anjo-preto para pentear,
pernas de nylon, braços luminosos
e algumas roupas dos anúncios.

Vivo numa casa de bonecas
com quatro cadeiras,
uma mesa de imitação, um telhado plano
e uma grande porta de entrada.
Muitos chegaram a esta encruzilhada tão pequena.
Há uma cama de ferro,
(a vida alarga, a vida faz pontaria)
um chão de cartão,
janelas que se escancaram para a cidade de alguém,
e pouco mais.

Alguém brinca comigo,
planta-me numa cozinha toda eléctrica
Foi isto que a Sra. Rombauer disse?
Alguém finge comigo -
estou emparedada em sólido pelo seu barulho -
uu põem-me em cima da sua cama arrumada.
Eles acham que eu sou eu!
O calor deles? O calor deles não é um amigo!
Eles forçam a minha boca para os seus copos de gin
e para o seu pão rançoso.

O que é a realidade
para esta boneca sintética
que devia sorrir, que devia meter as mudanças
que devia escancarar as portas numa desordem sadia
sem evidencias de ruínas ou medos?
Mas eu choraria
enraizada na parede que
em tempos já foi minha mãe
se me lembrasse como
e se eu tivesse lágrimas.



Anne Sexton



Photobucket

Sunday, October 5, 2008

tradução caseira da lebre


Isto foi um erro,
estes braços e pernas
que já não funcionam

agora está partido
sem espaço para desculpas.

A terra não conforta,
Apenas cobre
Se tiveres a decência de ficar quieto

O sol não perdoa,
Olha e continua a andar.

A noite infiltra-se em nós
através dos acidentes que
provocámos um ao outro

da próxima vez que cometermos
amor, devemos
escolher primeiro o que matar.



Margaret Atwood



Photobucket

Saturday, October 4, 2008

Thursday, October 2, 2008

Mapa de Anatomia: O Olho


O olho é uma espécie de globo,
é um pequeno planeta
com pinturas do lado de fora.
Muitas pinturas:
azuis, verdes, amarelas.
É um globo brilhante:
parece cristal,
é como um aquário com plantas
finamente desenhadas: algas, sargaços,
miniaturas marinhas, areias, rochas,
naufrágios e peixes de ouro.
Mas por dentro há outras pinturas,
que não se vêem:
umas são imagens do mundo,
outras são inventadas.
O olho é um teatro por dentro.
E às vezes, sejam atores, sejam cenas,
e às vezes, sejam imagens, sejam ausências,
formam, no olho, lágrimas.




Cecília Meireles



Photobucket

Wednesday, October 1, 2008

tradução caseira da lebre



As minhas palavras exigem silêncio e espaços abandonados



Alejandra Pizarnik



Photobucket

Tuesday, September 30, 2008

Instruções para chorar

Prescindindo dos motivos, vamos ater-nos à maneira correcta de chorar, ou seja, um pranto que não ingresse no escândalo, nem insulte o sorriso com paralela e torpe semelhança. Consiste o pranto médio ou corrente numa contracção geral do rosto e num som espasmódico acompanhado de lágrimas e ranho, este último no final, já que o pranto termina no momento em que uma pessoa se assoa energicamente. Para chorar, dirija a imaginação para si mesmo, e se isto lhe for impossível por haver contraído o hábito de acreditar no mundo exterior, pense num pato coberto de formigas ou nesses golfos do estreito de Magalhães onde nunca ninguém entra. Quando o pranto começar, cobrirá com decoro o rosto, usando para tal ambas as mãos com as palmas viradas para dentro. As crianças chorarão com a manga do bibe a tapar a cara, e de preferência a um canto do quarto. Duração média do pranto, três minutos.



Julio Cortázar



Photobucket

Monday, September 29, 2008

doem-me os vazios nas palmas das mãos

o toque das palavras usadas
só no silêncio das papoilas se ouve

como descrever o perfil do vermelho com o olhar vazio




Maria Sousa



Photobucket

Saturday, September 27, 2008

Parabéns
aos meus pais pelos 40 anos de casadosImage hosted by Photobucket.com

Friday, September 26, 2008

Photobucket

Thursday, September 25, 2008

Manhã

Ilumino-me
de imenso.




Giuseppe Ungaretti



Photobucket

Wednesday, September 24, 2008

Ela gostava de tudo aquilo: da mesa da cozinha, dos pequenos bancos de madeira, das árvores que conseguia ver da janela, de uma certa pureza do ar que a obrigava a renunciar aos prazeres de adulto: aquele tempo tinha uma marca infantil. Crescera naquela casa.Mas agora acabou: estava já crescida. Como uma investigação que termina, ela sentia que chegara ao fim. Já não cresço, murmura.Não havia necessidade de não ser sincera: estava sozinha, podia dizer a verdade.



Gonçalo M. Tavares



Photobucket